quarta-feira, 12 de maio de 2010

Matrioskas


Não é isso que somos todos?

Bonitas bonecas expostas ao Mundo, revestidas de pormenores detalhados e coloridos. No interior da grande carapaça que nos faz parecer enormes e de expressões largas e certas, encontram-se réplicas iguais a nós em essência, mas de tamanhos vários e de pormenores e cores diferentes, que experimentamos em várias situações da vida.

Dentro de nós estão várias personalidades (nossas) mas com algo a menos... Ou algo a mais, nunca é possível descobrir!

Há momentos em que olhamos o Mundo através de uma vitrine, encostadas a milhares de livros, a sentir o cheiro das palavras a fervilhar de ansiedade para ser bebidas, cheiradas, engolidas, quem sabe um dia ditas e libertadas.

Outras aderem como ventosas a paredes repletas de recordações, vivências e acontecimentos, enquadrados num espectro variado de contextos, pessoas e ambientes.

Há matrioskas que esvoaçam junto ao corpo de pessoas e chegam a perder a identidade, porque passam a pertencer àquela imagem, àquele algodão, àquela alma. São matrioskas.

Cheias de capas detalhadas que protegem o seu pequenino e fundo tesouro interior.


11/05/10

1 comentário:

  1. Chegar a esse caminho de reconhecer e verdadeiramente aceitar em nós a co-existência de várias facetas, tamanhos e cores, em função do lugar que ocupamos é, sem dúvida, um lugar importante de chegada e ao mesmo tempo de partida. Um bj e continua a olhar por essa janela...

    ResponderEliminar