domingo, 2 de maio de 2010

Entre querer e crer

"De sábio e de louco todos temos um pouco"
Hoje confrontei-me com uma lucidez por vezes um pouco "adormecida", uma lucidez por vezes perdida e não totalmente real, ou pelos menos não tão real como gostaria.
Nos momentos em que me sinto mais desanimada com o que vivo e sou, agarro-me sempre com raízes fortes e duras a um incerto de grandes dimensões ao qual me agarro momentaneamente, com a verdade escondida dentro de mim que nunca o irei alcançar.
Muitas vezes as barreiras somos nós que as criamos, mas as verdade em que acreditamos também. E porque não acreditar apenas em mim? Porque preciso de inventar algo muitas vezes disforme e enevoado de tão pouco palpável que é ao qual me agarro e comunico a todos que me agarro, mas que sei que não existe dentro de mim? Ou estou mais uma vez a tentar mostrar a mim mesma que não há limites e que posso sonhar o que quiser ?
Sempre ouvi dizer que voos demasiado altos, implicam quedas dolorosas. Mas ainda que um pouco lesionada depois de uma queda, a solução não pode ser ficar quieta a ver os outros voar.
Qual será a solução?
Às vezes parece que a Verdade não é a minha verdade. Mas tenho de parar de acreditar no que QUERO e começar a acreditar no que me aparece. Por mais dificil que seja...A verdade interior é mais complexa, e só se cria a partir do que absorvemos (ou não!) de fora.

" A verdade é um Sol pousado em lágrimas liquidas interiores, que ainda não se desprenderam do ciclo fechado para se tornar palavras ?! "

1 comentário:

  1. verdade há muitas, mas Verdade, só há uma, que é tua. Cada ser constroi a sua própria Verdade. Cabe-te a ti criares a tua e viveres de acordo com ela. E quanto maior for a queda, mais aprendes para a criares ;)


    saudações yamanescas cara

    ResponderEliminar