sábado, 25 de setembro de 2010

how I wish you were here


São 5 da manhã. A aurora apressou-se a vir com um nevoeiro quase gélido. No campo, as flores recebem um orvalho brilhante que absorvem como pequenas pedras preciosas que ornamentam uma ou outra polegarzinha adormecida por entre pétalas coloridas. Vagueio na minha memória tão cheia de coisas até te encontrar a ti.

Lembro-me de alguma música que deixaste, e que quando alguma expressão ou silêncio me remete para ti, se afirma dentro de mim esta melodia tão única e sublime ao mesmo tempo, encerrada naquela tarde tão triste em que no teu carro me disseste adeus.

Depois disso, e às escondidas, os nossos olhos voltaram a cruzar-se e os nossos vultos a tocar-se como se por magia, nos unissemos secretamente e por instantes, para depois daquele pulsar tão agitado, nos separarmos de novo.

De guitarra às costas corres na direcção oposta à minha e finges que não me vês. É com uma voz quase em surdina que grito o teu nome, logo a seguir a uma chuva miudinha se instalar em nós. Na rua e em todos os espaços a descoberto.

Olhas para trás e é a correr que te apressas na minha direcção. Assim que chegas, desapareço. E tu ficas ali, sozinho à chuva, no teu sonho interminável a imaginar um regresso ao nosso beijo, ao nosso entrelaçar de corpos, à nossa paixão assolapada e quase interminável.

Seria quase fatal se nos víssemos de novo.

Em casa, sentada ao piano, tento traduzir o que sentíamos naquela altura em que tudo era bonito quando estavas ao meu lado. Tento pôr para o papel antigo e amarelado de partitura como tu eras comigo, o carinho com que nos olhávamos e tocávamos, as músicas que fizemos um dia juntos enquanto partilhavamos a vida um com o outro.

Os momentos de loucura por essa noite fora em que nos encontrámos às escondidas.

"Mas o amor é curto e deixa mossa" e foi com ela que ficámos, cada um para seu lado. Tu a envolveres-te com outras, e eu, sozinha ao piano a construir o meu futuro na escrita, e sem ti.

A aprender a consolidar o que é intenso e a deixá-lo a cristalizar apenas na memória e longe do coração. Mas o meu coração ainda bate mais depressa quando te relembro. E é com convicção e certeza que hoje toco para ti esta música ao som de uma banda com a qual já fomos quase tudo.. mas também ao som da qual nos reduzimos a quase nada.

Como gostava de, em certos instantes fazer o tempo voltar para trás and... Oh, how I wish you were HERE.

Sem comentários:

Enviar um comentário