domingo, 5 de setembro de 2010

contrariar




Contrariar. Um verbo que tem por norma uma conotação negativa!
E pensar que todo o significado que se prende a ele é algo tão importante e que devemos praticar na vida, da melhor forma que pudermos e soubermos.
É claro que criamos rotinas que são positivas e nos permitem organizarmo-nos e realizar tarefas que nos levam a atingir objectivos que são importantes, mas há rotinas que se prendem a nós com uma força tal e que para conseguirmos aproveitar alguma alegria, e exteriorizar muito do que se passa "cá dentro" é preciso contrariar.
Na física, aprendemos que quando existe uma força a puxar-nos em determinada direcção, é necessária outra num sentido contrário para que o corpo sujeito à mesma, não se deforme, não entre em movimento e inclusivé é preciso que esta seja de uma intensidade maior do que a primeira, porque se isto não acontece o corpo ficará parado (em equilíbrio de forças, como aquelas balanças antigas e que ainda se veem).
Pois bem, se na vida pretendemos imprimir em nós um movimento diferente, uma força que não nos puxe para baixo (e não falo do peso, isto para os mais literais) é preciso contrariar. E ser do contra! Não com o Mundo que me rodeia, comigo própria.
E a física prova que não é fácil! É preciso uma força de intensidade maior para contrariar a que nos "puxa" para baixo... Mas quando a encontramos e começamos a sentir-nos em movimento contrário é tão bom que dá quase vontade de nos deixarmos levar. Mas é preciso continuar, ou então a gravidade (ou as distracções da vida, dependendo da interpretação) voltam a tomar conta de nós. Já pensaram que por vezes contrariar pode significar sermos exigentes connosco próprios?

1 comentário:

  1. Bonito post, Margarida.
    Contrariar, no sentido que aqui referes, é importante, sim, e faz a diferença, na prática contesta aqueles que afirmam sermos todos muito idênticos, não é verdade! E ganha-se com este contrariar que significa crescer (não na idade, mas na maturidade, nada mais patético que os eternos adolescentes, tudo tem altura própria). Beijinho:)

    ResponderEliminar