sábado, 21 de novembro de 2009

Poema do Esclarecimento

"todos fomos irmãos, hermafrodíticos como ostras
conferindo as nossas pérolas negligentemente

ainda ninguém tinha inventado a propriedade
nem a culpa nem o tempo

víamos as estações passar, éramos cristalinos como a neve
e fundíamo-nos suavemente em novas formas
enquanto estrelas giravam à volta das nossas cabeças

não tínhamos aprendido traição

os nossos eus eram pérolas
irritantes transmutados em brilho
e oferecidas negligentemente

as nossas pérolas tornaram-se mais preciosas e os nossos
sexos estáticos
a mutabilidade fez crescer uma concha, inventámos
línguas diferentes
novas palavras para novos conceitos, inventámos
despertadores
sebes lealdade
mesmo assim... ainda agora... fazendo uma ficção na
comunhão infinitas percepções
recordo
que fomos todos irmãos
e ofereço negligentemente"

Lenore Kandel, Antologia da Novissima Poesia Norte Americana

Bastante poderosa e explícita, a poesia contemporânea, brinca com as palavras contextualizando-as de forma a evocar realidades abstractas, do inconsciente que se enquadram no objectivo do poema.
Foi na década de 50 que esta surgiu, começando o movimento na Costa Ocidental em Boston, Black Mountain e Nova Iorque, especialmente com a poesia de Whitman, que aboliu o intelectualismo dos anos 30 e 40 rejeitando totalmente a poesia académica transformando-a numa escrita criativa e totalmente nova, alcançando novas concepções de poesia.
Estas concepções desenvolveram-se em paralelo com o Jazz e o Expressionismo Abstracto.
Pessoalmente, gosto bastante deste tipo de poema, mas era positivo que partilhassem opiniões e interpretações que fazem dele.

Sem comentários:

Enviar um comentário