sexta-feira, 26 de março de 2010

Primavera Poética


E não é a Primavera um tempo de renovação, simples e natural que vem com um vento ameno que nos enche a alma de cheiro a flores, a terra e a noites maiores de Lua brilhante estampada no céu ainda aceso?
Essa renovação não é imediata. Tal como as flores despontam devagarinho, ao seu ritmo a poesia entranha-se em nós num compasso sereno, num levitar quase suspenso.
Principia-se o ritual, despindo os trapos velhos de um Inverno frio, de erros crus e negros, de noites longas de chuva cortante, de ventos a favor e contra e que nos desviam da orientação principal.. Esse despir não tem de ser martírio e apatia, mas sim confiança e desvario (moderado). Ao retirar a aspereza da sarapilheira que nos pesa nos ombros, sobressai um branco límpido pronto a preencher. Branco de simplicidade, pureza, entrega...
Branco que desperta para uma abertura que nos leva a pintar em nós, na vida, nos outros as diversas cores da Primavera. E estas cores são movimento, dança, partilha conjunta de arte escrita.
Arte escrita para ser dita. Por nós e por todos.
Palavras que nos fazem chegar uns aos outros, numa segurança firme e sincera.
É este olhar do Mundo e de todos que nos une. O saber que se vacilarmos, temos alguém pronto a impedir-nos de caír.. que podemos ser silêncio, mas que logo a seguir vai haver alguém a chegar-se à frente e a preencher-nos com palavras. Ou com reticências...
Estamos juntos ! OBRIGADA.

2 comentários:

  1. Certa de que esta Primavera será Poética e transformadora, fica a apologia da palavra e da escrita. Parabéns por essa expressão tão genuína.

    ResponderEliminar